Conecte-se com

Jorge Ubirajara, o coronel Mnemônico SETACO

Comportamento

Jorge Ubirajara, o coronel Mnemônico SETACO

Na crônica, Novais Neto conta uma história bem interessante do colega de infância

Quando o conheci, ele ainda era um menino de seus 12 anos de idade, filho de seu Clero e dona Mima, vindo de Itapetinga, a carregar o nome de um guerreiro: São Jorge. Era colega da minha irmã Nena, do primeiro ano ginasial, no Centro Educacional Santamariense (sem hífen), que nós insistíamos ainda em chamar Ginásio Comercial de Santa Maria da Vitória. Eu cursava o segundo ano na mesma escola, que ficava pertinho da casa dos pais de Jorge, no mesmo logradouro, Rua Coronel Clemente de Araújo Castro, antigo ex-prefeito.

Jorge ou Bira, já que seu nome é Jorge Ubirajara Pedreira, vira e mexe, estava na minha sala a conversar com as irmãs Maria Cristina e Maria Cláudia Lisboa Borba, amigas e vizinhas dele. De tanto isso acontecer, ele até aparece em uma foto da turma, de 1974, por ocasião de festejos juninos.

Foi cursando o ginasial que Jorge Ubirajara, dono de nariz aquilino, irmão gêmeo do meu, recebeu o sugestivo apelido do personagem infantil Topo Gigio, simplificado pelos colegas, virou apenas Topa. Topa de seu Clero e dona Mima.

Além de sempre nos encontrarmos em sala de aula, ainda havia as aulas de Educação Física no campão, no então Estádio Wilson Barros, que depois foi renominado para Turíbio de Oliveira e, acompanhando o modismo futebolístico, virou Turibão, tão somente. Quando não era neste local, era num campinho que ficava na saída para Correntina, nas imediações do atual Centro de Abastecimento.

Vez ou outra, as aulas de ginástica eram realizadas no pátio do colégio, ministradas pelo genial professor de Matemática, Tércio Santana, Tutes, também meio-campista do Monte Castelo e da seleção santa-mariense. Nesta época, a escola não tinha quadra e as vezes tínhamos que ir para a quadra de Chiquinho, Francisco Alves da Silva, ex-prefeito da cidade, localizada nas proximidades da atual sede do Juizado de Pequenas Causas.

Isso não era bom, vivíamos que nem cigano: um dia num lugar, outro dia noutro, e muitos colegas acabavam perdendo aula. Não sei quem foi, mas alguém teve a ideia de nós mesmos ajudarmos na construção de uma quadra. E outro sugeriu que, nos dias de aula, levássemos uma pedra para começar a obra.

A ideia, que parecia boa, virou problema. É que ninguém, certamente, traria pedra de casa, iria, sim, catando pela rua. Muitos fizeram isso, outros, entretanto, viram uma construção por perto e levaram todas as pedras que podiam ser carregadas. No mesmo dia, o proprietário foi reclamar com a Direção do colégio, e a então diretora, dona Nena, nos fez devolver todas, até mesmo as encontradas pelo caminho. No entanto, apesar desse hilário acontecimento, a quadra virou realidade.

Ninguém queria mais perder aula de Educação Física. Por outro lado, se Tutes não pudesse ir, o italiano Ascenzo Venditti, Padre Enzo, marcava presença e nos ensinava exercícios respiratórios e de alongamentos, coisas nunca vistas por nós. Foram bons tempos de jogos de futebol de salão, ginástica e basquetebol. Tutes, nosso educador físico, montou dois times de basquete: um da própria escola e outro do Colégio Gonçalves Ledo, que rivalizavam, além de alguns times de futsal.

Topa fazia parte do time de basquete, e eu também. Nos treinos, tinha que ter uma bola só para ele, era fominha demais e delegado. Gostava de tentar cestas miraculosas que às vezes davam certo. Quando não davam, tomava bronca dos companheiros, mas tudo terminava em riso e gozação.

Há, dessa época, um acontecimento que não chegou a ser trágico e, hoje, tornou-se risível. Todas as manhãs das segundas, quartas e sextas, às 5 horas, enquanto esperávamos pelo professor Tutes, na frente do colégio, sempre aparecia algum colega distribuído pão quentinho. Todo mundo comia, nem que fosse um taquinho, inclusive Topa. E ninguém nem queria saber a origem do milenar alimento.

Dias depois, veio a reclamação de Tutes. É que alguém estava pegando os sacos de pães que o entregador deixava nas janelas das casas, como era hábito, inclusive da janela de seu Clero, pai de Jorge. E aí veio o boato assustador: seu Clero estava à espera do espertinho com uma espingarda de sal grosso. Desse dia em diante, alguns mudaram de calçada e outros mudaram até de rua.

Durante todo o curso ginasial foi isso. Eu continuei o segundo grau em Santa Maria, no mesmo colégio, cursando Técnico em Contabilidade. No ano de 1978, mês de agosto, mudei-me para Salvador, indo morar na recém-fundada Casa do Estudante de Santa Maria da Vitória, localizada na Av. Joana Angélica, em frente ao Sesc. Topa chegou logo depois, a portar uma carta de apresentação que foi exposta no mural da casa pelo presidente, o saudoso amigo Fernando Rosa Santana.

A carta era dispensada, já que cabia aos próprios estudantes, especificamente, a Direção, admitir novo morador, a depender da existência de vaga, o que, naquele momento, não foi problema, mesmo já tendo a casa mais de 30 moradores secundaristas, pré-vestibulandos e universitários. Decorei a tal missiva e a transcrevo, a seguir, mesmo passadas quase quatro décadas:

Santa Maria de Vitória, setembro de 1978.

Fernando,

Com esta, estou a apresentar-lhe o jovem Jorge Pedreira, filho de um amigo nosso aqui residente, e que vai fixar residência com vocês.

Explique a ele como funciona a Casa, e posso adiantar-lhe que se trata de um excelente rapaz que, por certo, muito agradará o ambiente desta residência.

Sem mais.

Tito Lívio Nogueira Soares
Prefeito Municipal

Pronto. O rapaz recomendadíssimo estava admitido, e não decepcionou nem o prefeito, nem a nós, moradores, pelo contrário, só veio mesmo a somar. E muito.

No ano seguinte, 1979, houve eleições para escolha da nova Direção da Casa. Tito Gardel do Prado e eu fomos eleitos para presidente e vice-presidente, respectivamente. O primeiro, no entanto, aprovado que foi em concurso do Banco do Brasil, retornou a Santa Maria, e eu assumi em seu lugar. Eu também fui aprovado em concurso do Baneb e Arquitetura, na UFBA, e fiquei por aqui mesmo.

Não foi fácil, mas com a ajuda dos que queriam crescer na vida, dos que sonhavam com novos horizontes, as coisas foram facilitadas, inclusive por Jorge, que foi, juntamente com José Gregório, meus secretários de alimentação. Nesta ocasião, ele já era estudante do Colégio da Polícia Militar. E dessa época, também, há um inapagável acontecimento, pelo menos para mim.

Caderno utilizado para organizar e fazer as anotações das reuniões da Casa do Estudante em Salvador

Uma das vantagens em morar na Casa era que, no que se refere às disciplinas escolares, ninguém ficava com dúvida em algum assunto. Sempre havia alguém que sabia e ajudava a esclarecer. Neste grupo, no qual me incluo, além de Renan, Gregório, dentre outros, para as disciplinas Matemática, Química e Física eram as que mais nossos colegas pediam socorro.

Certa vez, véspera de uma prova de Matemática, do Colégio da Polícia Militar, cujo assunto era Trigonometria, Jorge me pede ajuda porque não estava conseguindo memorizar, quando seno, cosseno e tangente eram positivo ou negativo nos quadrantes de um círculo. Ensinei-lhe direitinho, utilizando-me de um recurso mnemônico, que eu sabia, e que facilitava a decoreba.

– Olha, Jorge, construa um quadro com 3 colunas e 2 linhas. Em cima, coleque, nesta ordem: seno, tangente e cosseno (SeTaCo), e não o contrário, como a gente aprende – frisei bem. – Na linha de baixo, escreva os números 12, 13 e 14.

Feita a tabela, isso significa que seno é positivo no primeiro e segundo quadrantes; tangente, no primeiro e terceiro; e cosseno, no primeiro e quarto. Nos demais, nos faltantes, eles serão negativos, assim:

Como seno é positivo no primeiro e segundo quadrantes, será negativo no terceiro e quarto; como tangente é positivo no primeiro e terceiro, será negativo no segundo e quarto; como cosseno é positivo no primeiro e quarto, será negativo no segundo e terceiro – e finalizei minhas dicas mnemônicas como o tradicional “entendeu, Topa?”.

Topa saiu sorridente, dando pinotes de alegria, e soltou:

– Agora, vou matar a pau! – e foi para o quarto estudar mais. A prova seria no outro dia, na parte da manhã.

Por volta do meio dia, do dia seguinte, ele me encontrou, agradeceu e disse:

– Matei a pau, Nó. O professor botou umas três questões do assunto.

Os dias passaram e, num deles, Jorge chegou revoltado, me xingando todo, dizendo que eu havia lhe ensinado errado, e que aquele negócio de SeCoTa estava errado, e que deu tudo ao contrário, e coisa e tal. O homem estava uma fera.

Tomei um susto e repeti, pausadamente, o que ele me disse:

– Se… Co… Ta, Topa? Eu lhe falei Se… Ta… Co. Esqueceu? Pirou de vez, foi? Olhe no seu caderno e veja o que está escrito – lhe pedi.

Jorge nem fez isso. Levou apenas as mãos à cabeça e saiu cabisbaixo. Quem estava presente e conhecia o assunto, não deixou de sorrir. De vez em quando, alguém, relembrando o ocorrido, lhe chamava de Secota, mas o apelido não vingou. Muitos, certamente, já esqueceram… Menos eu.

Já como aspirante da PM baiana, nos duros anos de 1980, quando as greves eram reprimidas com toda força, num desses momentos, eu, empregado do Baneb, e Renê, primo e morador da Casa do Estudante, funcionário do Banco Econômico, encontramos Jorge a comandar a Cavalaria num desses embates, no bairro do Comércio. Ele já não morava mais na residência estudantil.

Renê, sempre muito brincalhão, em tom de ameaça, lhe advertiu:

– Deixa quando você descer desse podói, desse pangaré, e for ver a gente na Casa do Estudante, cê vai ver. Não foi isso que nós lhe ensinamos. – Jorge apenas sorriu, pois conhecia o bom humor e as brincadeiras de René Neves de Sá.

O menino Jorge de seu Clero e dona Mina cresceu, progrediu e retornou a Santa Maria da Vitória, nossa querida Samavi, já como Capitão Ubirajara. Ficou por lá um tempo e voltou a Salvador, mas sempre retornando em suas férias.

Na foto, eu, meu amigo Jorge e minha querida irmã Glécia Novais

No ano de 2016, por ocasião do aniversário de Santa Maria da Vitória, 26 de junho, encontramo-nos num grandioso evento na Câmara dos Vereadores. Eu, para receber a Medalha do Mérito Literário Osório Alves de Castro e Jehová de Carvalho, e ele, Jorge, para receber o Título de Cidadão Santa-mariense. O que já era de fato, de direito tornou-se.

Finalmente. A Casa do Estudante de Santa Maria da Vitória que formou advogados, historiadores, engenheiros civil e químico, educadores, administradores, analista de sistema, educador físico, geólogo, médica veterinária, agrônomo, químico analista, contador, dentre outros, tem agora seu coronel, coronel “cheio”, que atende pelo nome de Jorge Ubirajara Pedreira, para muitos. Para nós, seus amigos mais “chegados”, de infância, simplesmente, Coronel Topa. Agora e Sempre!

Continuar lendo
Novais Neto

Poeta e escritor Santa-Mariense que viu na poesia uma maneira de expressar o amor que sente por Santa Maria da Vitória. É autor de três livros: “Flutuando na Areia”, “Ave Corrente” e o “Meu Lugar é Aqui no Centenário de Santa Maria da Vitória”.

Bora Matutar? Deixe seu comentário

Mais notícias sobre Comportamento

Topo