Conecte-se com

Ribeirinhos do Rio Arrojado desocupam fazendas Igarashi

Correntina

Ribeirinhos do Rio Arrojado desocupam fazendas Igarashi

Mais de 500 pessoas colocaram fogo e destruíram máquinas e todo sistema de captação de água das fazendas em Correntina-BA

Os manifestantes chegaram a interditar a BR 349 em Correntina, mas desistiram após um acordo com a polícia

Os trabalhadores ribeirinhos do vale do Rio Arrojado que ocuparam, nesta quinta-feira (2), duas fazendas do grupo Igarashi no município de Correntina, região Oeste da Bahia, deixaram um rastro de destruição nas duas propriedades. Os manifestantes coloram fogo em um caminhão, tratores e máquinas agrícolas, galpões e tudo que acharam pela frente até chegarem ao sistema de captação de água das propriedades que retirava água do Rio Arrojado, onde também quebraram tudo.

Após um acordo com a Polícia Militar e o Grupamento de Policiamento Especializado do Cerrado, os manifestantes deixaram as fazendas. Parte seguiu para Correntina e chegou a fechar a BR 349, mas desistiram da interrupção da via após um acordo com a PM. Pelo WhatsApp, várias mensagens pediam apoio da população para evitar que os participantes do protestos fossem presos. No final da tarde, a multidão se dispersou e a situação voltou à normalidade em Correntina.

O movimento afirma que as fazendas de agronegócio têm sugado a água dos rios da região, causando danos ambientais aos recursos naturais da região de toda Bacia do Rio Corrente.  No entanto, de outro lado, a Associação de Agricultores Irrigantes da Bahia (AIBA) divulgou nota afumando que apoia as manifestações sem atos de vandalismo. Além disso, afirmou que a seca dos rios é causada pela falta de chuvas na região.

A justificativa para a invasão das fazendas e destruição dos equipamentos e bens das propriedades teria sido uma resposta ao Governo do Estado que mesmo após outras manifestações não adotaram nenhuma medida para impedir a retirada de água dos rios da região. A ocupação passa a mensagem que o povo não vai ficar de braços cruzados vendo os rios secarem pela exploração dos recursos naturais pelo agronegócio.

Veja como foi a ocupação na matéria que saiu antes desta: População se revolta e ocupa duas fazendas em Correntina

Continuar lendo

Jornalista, santa-mariense e idealizador do Matutar com objetivo de debater assuntos que possam promover mudanças sociais na região da Bacia do Corrente. Idealista por natureza, curioso pela força da profissão e dono de um olhar sensível aos problemas sociais. Maurizan tem uma mente inquieta e está sempre a procura de novas historias para conhecer e contar.

Bora Matutar? Deixe seu comentário

Mais notícias sobre Correntina

Topo